Arquivo

Posts Tagged ‘Ativos Intangíveis’

Um dia, tudo será memória …

ECC_Um-Dia-Tudo_Sera-Memoria

________________________________________________________________________________

PRESERVE A SUA com nossa metodologia e expertise.

________________________________________________________________________________

Livro Gestão do Conhecimento – Memória do dia do lançamento

Foi muito bom receber os amigos no lançamento do livro Gestão do Conhecimento, no qual eu escrevi sobre: Autoconhecimento na Memória Corporativa.Livro co-autoria Beatriz Azevedo Castro

Lançamento livro de co-autoria de Beatriz Azevedo Castro

Lançamento Livro de co-autoria de Beatriz Azevedo Castro, nossa Diretora Executiva

Lançamento livro de co-autoria de Beatriz Azevedo Castro, nossa Diretora Executiva

Datas de novembro – todos as 19h30

dia 17  – Senac Piracicaba – Rua Santa Cruz, 1148 – Piracicaba-SP

dia 26  – Senac Consolação – Rua Dr. Vila Nova, 228 – São Paulo-SP

dia 27 – Conselho Regional de Contabilidade – Rua Rosa e Silva, 60 – São Paulo-SP

Evento GRATUITO: http://www.sp.senac.br/jsp/default.jsp?newsID=DYNAMIC,oracle.br.dataservers.ContentEventDataServer18,selectEvent&template=946.dwt&event=2507

Centro de Memória e seus Processos

CentroMemoria_Processos
Centro de Memória – processos para armazenar e disponibilizar informações relevantes da empresa

A MEMÓRIA COMO PERCEPÇÃO DE SI E DOS OUTROS

A reconstrução da memória é uma forma de repensar a história de uma instituição e tê-la como uma ferramenta para fortalecer sua cultura e valores.

Neste contexto, a entrevista de Memória Oral torna-se um momento único, com circunstâncias únicas, que produz um resultado único: documentar uma individual visão da realidade, da afirmação de uma identidade.

Identidade esta que tem a Memória como elemento essencial na percepção de si e dos outros, com o atributo primordial de garantir a continuidade de um tempo que, por natureza, sofre rupturas e mudanças.

Ao capturar visões múltiplas de uma trajetória e submetê-las à análise crítica, virá à tona a heterogeneidade e o dinamismo da história construída na diversidade de profissionais e experiências culturais, possibilitando compreender processos passados e, conseqüentemente, seus reflexos no presente.

COMPARTILHAR CONHECIMENTO GERA NOVOS CONHECIMENTOS

Uma das ferramentas para manter as heranças vivas de uma empresa é a Memória Corporativa, com sua história nos diferentes momentos desde a fundação, incluindo a criação de produtos e serviços e as histórias dos colaboradores que compartilharam conhecimento com a e na empresa.

Um Centro de Memória ajuda a aproximar colaboradores dos diferentes conhecimentos espalhados pela empresa, possibilitam insights para novas criações preservando as características importantes dos produtos antigos, fortalecendo a cultura da organização.

Um espaço que reúne conhecimento técnico e estratégico, sobre o design dos produtos e serviços, sobre a marca e os símbolos pertencentes à companhia, que reforçam a cultura empresarial, porque valoriza quem mantem a empresa viva.

Criar um Centro de Memória não significa revelar segredos de novos ou antigos produtos e serviços, nem mesmo as estratégias da empresa, significa compartilhar conhecimento para gerar novos conhecimentos.

Ativos Intangíveis em Centro de Memória

Busco em minha memória um fato que pudesse justificar a tristeza sentida pela morte de Steve Jobs. Nada próximo. Conhecemos seu trabalho, suas inovações, sua crença em seus sonhos e destes os que se materializaram.

Os sonhos que constroem marcam nossa mente! Se sonhos constroem qualquer coisa, o que hoje é uma grande corporação infere-se, começou com o sonho de um fundador.

E este sonho, onde está registrado? E onde as coleções de objetos desta corporação até ser grande como hoje se apresenta? Perderam-se? Estão guardadas? Onde? Com quem? E se ninguém guardou, como escrever sua história, que tem no mínimo, importância como produtora de bens materiais ou imateriais para o país.

Apesar de possuir este forte laço com o passado, coleções documentais possuem um laço de igual intensidade com o futuro quando consideramos seu potencial e possíveis reestruturações conceituais que podem propiciar.

Tendo como premissa que patrimônio é um bem de determinada comunidade, pode-se inferir que a memória corporativa é um conjunto de objetos representativos deste patrimônio.

Neste sentido, as coleções contidas na Memória Corporativa são suportes de memória que remetem a procedimentos, práticas e conceitos bem como de um passado remoto e recente.

Assim iniciamos nossa monografia sobre Ativos Intangíveis em Centro de Memória, cujos textos traremos à esta página.

Os 10 Mandamentos da Gestão do Conhecimento

Daniel Domeneghetti *

Gestão do Conhecimento é o tipo de tema que apaixona. Isso mesmo. Muitos se apaixonam, mas poucos casam. Só que deveriam.

Parte da culpa desse estigma está no fato de o Conhecimento geralmente estar bastante difuso nas empresas e, portanto, não ter um contorno claramente definido, e porque os projetos de Gestão do Conhecimento são, via de regra, mais lentos e complexos (entendam custosos) do que “deveriam”.

Contribuem também para o abandono precoce do tema como relevante para as companhias (i.e. dedicar tempo, recursos e talentos para que projetos desta natureza sejam priorizados, desenvolvidos e sistematizados) a suposta dificuldade de se comprovar a correlação de seus benefícios com a melhor performance e resultados da companhia e, por fim, o fato do Conhecimento ainda não ser visto e tratado gerencialmente como Ativo de Valor (para maior compreensão de como isto pode ser feito metodologicamente, consultar Gestão de Ativos Intangíveis no Site da DOM – www.domsp.com.br).

Seja, como for, recomendo 2 coisas: (1) repensem o papel do Conhecimento para a competitividade e diferenciação de suas empresas e (2) reavaliem retomar (ou priorizar) projetos que abordam parte ou a integralidade da prática de Gestão do Conhecimento.

Abaixo nossa colaboração prática e experiencial, depois de participarmos de mais de 20 projetos do gênero, nos últimos 5 anos, para as 500 maiores empresas do Brasil.

* da DOM Strategy Partners, nosso parceiro neste blog.

Texto completo…

O PATRIMÔNIO DE UMA ORGANIZAÇÃO

O patrimônio intangível compreendido como as línguas, festas, danças, lendas, mitos, músicas, saberes, técnicas e fazeres diversificados, compõem o universo de bens imateriais contemplado pelo Decreto 3.551.

Ressaltamos destes intangíveis, os conhecimentos e os modos de fazer, que indissociáveis da cultura de determinada comunidade, são uma relevante manifestação de seu patrimônio cultural.

Embasado neste contexto, mesmo que tratado de maneira muito diversa de um patrimônio cultural, defendemos como patrimônio cultural de uma organização seus saberes e fazeres.

Esses saberes e fazeres são das pessoas, que em geral durante sua existência, agem constantemente em busca de novos conhecimentos que lhe propiciem adquirir ou criar bens tangíveis ou intangíveis, aplicáveis em sua vida particular ou profissional.

Dentro de uma organização, novos conhecimentos são ativos intangíveis criados pelos Recursos Humanos, para suporte aos objetivos organizacionais. Este Capital é hoje mais importante que o Recurso Financeiro, pois sempre agrega valores para a organização.

Com este enfoque, considera-se não mais despesa, mas sim investimento, o treinamento, o desenvolvimento profissional e a memória corporativa que registra o conhecimento gerado por esse recurso.

O re-conhecimento do conhecimento registrado

Como identificar um bem intangível? Vindo do latim tangere ou do grego tango que significa tocar, o termo intangível traz para a definição de ‘bem intangível’ o significado de algo que não pode ser tocado porque não possui corpo físico.

Em resposta à importância desse fator para a contabilidade brasileira, o artigo 178, da Lei de Sociedades Anônimas declara serem estes bens, mesmo sem existência física, uma aplicação de capital indispensável aos objetivos da empresa. Reforça esta declaração a aprovação do CPC 04 aplicado à contabilização de ativos intangíveis.

Diferentemente de ativos financeiros, físicos e humanos que são limitados porque seu uso leva a escassez, os ativos intangíveis, utilizados simultânea e repetitivamente, ampliam sua utilidade, já que compartilhar conhecimentos entre funcionários gera novos e importantes conhecimentos para a empresa.

Nesse contexto, a Memória Corporativa atua como ferramenta para a guarda e compartilhamento dos intangíveis institucionais, atuando como background para que esses intangíveis, que sustentam os objetivos estratégicos, sejam identificados e evidenciados.

Muitos conhecimentos fornecem subsídios para que inovações sejam desenvolvidas, mas dificilmente esses conhecimentos, as informações estratégicas e as expertises envolvidas são registradas. Constituir essa memória corporativa agrega valor não apenas para a empresa, mas também para cada colaborador.